Pesquisadores fazem censo da vida marinha

Recentemente um artigo sobre um importante trabalho de catalogação da vida marinha foi publicado no portal de Ciência e Tecnologia Uai. Abaixo segue o artigo na integra.

Paloma Oliveto – Correio Braziliense

Publicação: 03/08/2010 07:10 Atualização: 03/08/2010 07:26

Gastrópode encontrado no Mar do Japão foi uma das descobertas mais recentes do estudo.

Brasília – É um mundo misterioso, escuro e desconhecido. Nas águas geladas dos oceanos, vivem organismos tão pouco familiares aos humanos quanto os supostos seres extraterrestres. Mas, assim como vêm fazendo no espaço, os cientistas estão cada vez mais mergulhando nesse universo paralelo em busca da compreensão de outros tipos de vida. Um censo marinho divulgado segunda-feira na edição on-line da Public Library of Science (PLoS ONE), organização não governamental científica, trouxe das profundezas dos mares informações preciosas para a biologia marinha.

Um grupo de 360 pesquisadores de todas as regiões do planeta ajudou a construir o Censo da Vida Marinha, uma compilação de dados até então esparsos que definiu 25 áreas-chaves da vida nas profundezas oceânicas, incluindo a costa brasileira (veja quadro). No total, foram catalogados 2.698.968 espécies de plantas e animais, divididos em 14 grupos, que vão de peixes a pequenos vermes, passando por esponjas, moluscos e crustáceos. O mapa ainda deve aumentar, porque os inventários da Indonésia, de Madagascar e do Mar Arábico não foram enviados a tempo para a publicação.

De todas as espécies, o maior índice – 19% – é composto por crustáceos, incluindo caranguejos, lagostas, lagostins, camarões e cracas. Em segundo lugar (17%), estão os moluscos, como polvos, caracóis e lesmas. Os peixes aparecem em seguida, representando 12% da vida marinha catalogada. Com 10% cada um, estão os protozoários (micro-organismos unicelulares) e as algas.

Os anelídeos, vermes com formato de minhocas, correspondem a 7% do censo oceânico e são seguidos por cnidários (5%), como anêmonas e corais; platelmintos (3%), que são vermes de aparência achatada; e equinodermos (3%), como a estrela-do-mar; porfíeros (2%), como as esponjas; equitoproctos (2%), um grupo de invertebrados complexos; e tunicados (1%), animais muito parecidos com as esponjas. As demais espécies foram classificadas como “outros invertebrados” (5%) e “outros vertebrados” (2%), sendo que, nesse último grupo, incluem-se baleias, leões-marinhos, tartarugas e aves marinhas.

Apesar da quantidade extraordinária de espécies contabilizadas, os cientistas alertam que o censo está longe de representar toda a riqueza da vida marinha, mas é essencial para futuras pesquisas. “Mesmo nas regiões com menos diversidade marinha, são enormes as chances de existirem espécies já documentadas, mas que não seriam identificadas mesmo por um especialista, se ele não tivesse um guia para orientá-lo”, explicou Ian Pointer, presidente do comitê científico do censo.

Desconhecimento

Somente em relação aos peixes, que estão em terceiro lugar no ranking das espécies mais presentes nas 25 regiões inventariadas, estima-se que pelo menos 5 mil ainda não tenham sido descritas, apenas nos Estados Unidos. De acordo com o especialista Bill Eschmeyer, que colaborou com o censo marinho, a quantidade de novas espécies descobertas tem crescido a uma taxa de 150% ao ano. No geral, os cientistas acreditam que 70% dos peixes existentes nos oceanos já foram descritos. Mas, em relação à maioria dos outros grupos taxonômicos, a ciência conhece somente um terço.

Segundo os cientistas, o inventário é essencial para futuras descobertas no fundo do oceano. “Precisávamos do censo urgentemente por duas razões. Primeiro, porque um conhecimento pequeno da taxonomia marinha impede que sejam descobertas e descritas novas espécies”, diz Mark Costello, um dos autores do censo e professor da universidade neozelandesa de Auckland. “Em segundo lugar, temos que conhecer melhor a vida marinha para evitar seu declínio. As espécies oceânicas têm registrado muitas perdas – em alguns casos, chegam a 90% – devido a atividades humanas e podem estar no caminho da extinção, assim como ocorreu com tantas espécies terrestres.”

A ameaça à vida marinha é uma preocupação da bióloga Nancy Knowlton, do Instituto de Smithsonian, dos Estados Unidos. Ela liderou a equipe que catalogou os corais no censo e é autora de um livro que será publicado pela National Geographic Society em 14 de setembro, sem previsão de lançamento no Brasil. Em Citzen of the sea: wondrous creatures from the Census of Marine Life (Cidadãos do mar: maravilhosas criaturas do Censo da Vida Marinha, em tradução livre), ela faz um importante alerta. “O mar, hoje, está em apuros. Seus cidadãos não têm voto em nenhuma organização nacional ou internacional, mas eles estão sofrendo e precisam ser escutados. Muito mudou nas últimas décadas, sobre e sob o mar, mas ele continua um maravilhoso e riquíssimo lugar e, com os cuidados necessários, pode se tornar mais ainda”, escreveu Knowlton.

Este e outros assuntos podem ser acessados no endereço abaixo: http://www.uai.com.br/htmls/app/noticia173/2010/08/03/noticia_tecnologia,i=172032/PESQUISADORES+FAZEM+CENSO+DA+VIDA+MARINHA.shtml

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: